Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007
Que grande pesadelo
Tinha que vos vir contar os pesadelos que me apoquentaram esta noite.
 
Não sei se foi do raio das bruxas que não me largam o pensamento, ou se foi  das migas com frituras de carne de porco que me deu p'ra comer ontem à noite, porque meus filhos, não sei se já vos tinha dito, mas aqui a vossa Beata, é mulher de muito alimento, não fora o caso nem eu tinha aguentado as cargas de trabalho que me couberam em sorte, quando vim a este mundo, que dizem que o destino está traçado desde que se nasce.
 
Então não é que me apareceram as bruxas todas a cantar e a dançar à minha roda e deram-me a beber de um caldeirão, um liquido azul que eu nunca tinha provado na minha vida, mas verdade seja dita até tinha o sabor daquele vinho que o menino Felino, trouxe ao Sr.Cura?
 
Eu não queria, mas a tentação foi forte e eu também não sou mulher para desdenhar uma boa pinga e por isso cá vai disto. Até parecia que era veludo a deslizar pela minha garganta abaixo.
 
Quando dei por mim, estava com o meu Zé agarrado pelo cabelo, que já não é muito porque atirou ao pai dele que morreu sem ter pêlo no corpo todo, Deus o tenha em descanso, e a beber do mesmo que eu, e meus ricos isto contado não dá para acreditar, mas não é que ele parecia que tinha o diabo no corpo, a correr atrás de mim e à roda das bruxas todas que até parecia que tinha 20 anos, tão remoçado que estava?
 
Graças aos santinhos que tudo não passou de um pesadelo pois quando acordei mal sabia em que aldeia estava,  até tive que me beliscar e então olhei p'ro meu lado esquerdo e lá estava o meu Zé a dormir descansadinho e a ressonar que nem um porco, como é hábito dele que era um regalo de se ver.
 
Isto das bruxas e de tanta gente a falar-me dos tais comprimidos azuis, é  no que dá.
 
Meus ricos filhos, não se esqueçam, é esta noite que elas atacam.
 
Vou acender uma velinha em vossa intenção.
 
 
 
 
 
 
 
Beijinhos repenicados e não se esqueçam das benzeduras e dos alhos á vossa porta.
 
 
Desta que se assina
 
 
Beata da Aldeia
 
 

Como vai a minha vidinha: a fugir do demónio

Carta escrita pela Beata da Aldeia às 19:41
link do post | Escreve à Beata | Ver as cartas (14) | favorito

Escrevam à Beata ricos filhos
Vem cá ver a Beata da Aldeia
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Cartas fresquinhas

Que grande pesadelo

Cartas com bicho

Maio 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

tags

aeroporto

agradecimento

água pé

aldeia

alegria

alhos

amigos

ano novo

árvores

assombração

bailarico

baile

beleza

benzeduras

blog

bruxas

burro

caridade

carta ao pai natal

cartas

cartas ao pai natal

casamento

castanhas

chuva

clima

cólicas

dançar

dia da floresta

dia das bruxas

domingo

esmolas

folgar

gasolina

histórias

homem

igreja

internet

magusto

mau olhado

medo

mulher

natal

net

noite

notícias

noticias

padres

pedidos

pesadelo

piaçaba

presentes

receitas

regresso da beata

rezas

roubo

s. martinho

sábado

são m. abreu

saúde

selos

sol

sr cura

tempo

testes

vida

zanga

todas as tags

últ. comentários
Anda tudo a correr me mal.Aparelhos avariam se sem...
Adoro o teu blog, ando sempre a ver as novidades, ...
Cuernos y herraduras también los utilizamos por es...
Visita o blog :http://rittiinha.blogs.sapo.pt/Obri...
Já estamos no Outono Boa Noite
Querem ver que a Beata foi de férias prolongadas?
A chuva já parou.o sol veio para ficar.A gasolina ...
Beatachamou a minha atenção - não por ser beata - ...
Venho pedir um grande favor:se me pode dizer quem ...
Enganei-me!!!!!!!!!!Um pocinho de petróleo...rsrs ...
mais comentados
14 comentários
RSS